Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com o uso de cookies.

Prêmio H. C. Andersen em 2018

12 de Junho de 2018 às 17:23

Receberam o Prêmio H. C. Andersen em 2018 PhD Klaus Muller-Willie da Suiça, pela criação de um novo método de estudo sobre o material estético nos contos de Andersen. Senhorita Tran Thi Minh Tam, do Vietnan por seu bem sucedido trabalho em contribuir para ampliar o conhecimento sobre Andersen no Vietnan Sebantian, da Dinamarca por suas interpretações sobre Andersen para o cenário musical Klaus Müller-Wille Por muitos anos, Klaus Müller-Wille tem sido um defensor incansável de Hans Christian Andersen na cena acadêmica internacional. Em seu trabalho acadêmico, ele colocou ênfase especial sobre o stress que marca os estudos sobre Andersen na modernidade. Seu último livro pode ser considerado o coroamento de todo o seu extenso trabalho, não só porque até ao mais ínfimo detalhe mostra como H. C Andersen previu a tendência vanguardista da literatura que transformaria o cenário literário , mas igualmente porque reconstrói o seu trabalho de uma forma sem precedentes. Há muito se sabe que Andersen desenvolveu uma técnica fabulosa de recortes de papel, conhecido como “papirklip”, mas seu interesse principal estava na literatura - os instrumentos de escrita básicos usados em seus contos, romances, relatos de viagens, poesias etc - nunca foram analisados tão profundamente no contexto do trabalho de Andersen. Durante a última década, Klaus Müller-Wille escreveu um dos estudos mais fascinantes e intrigantes sobre o nosso autor. Com base em uma riqueza de fontes e um extenso material de arquivos disponíveis sobre H. C. A. em vários acervos dinamarqueses, o livro de Klaus, sem dúvida, tornar-se uma ferramenta de referência importante para os próximos anos, bem como para outras pesquisas. Ms. Tran Thi Minh Tam Na pátria de H.C. A , nem sempre se entende como e porque seus contos atraem tantos leitores. A mesma observação pode ser feita em relação a países distantes. Nos últimos anos ficamos surpresos em saber que milhões de estudantes no Vietnan conhecem bem o poeta dinamarqueses e, o comitê, que analisa os trabalhos dos concorrentes ao prêmio, ficou curioso em saber qual poderia ser a fonte de tanto interesse. A embaixada dinamarquesa em Hanói apresentou-nos o motivo: Tran Thi Minh Tam! Seu trabalho com H.C. Andersen se estende por quase 20 anos e resultou em uma grande edição da tradução de 88 contos, em 2003 e, posteriormente, uma outra edição com outros contos totalizando 100. Com várias versões, essas coleções já foram publicadas em 16 álbuns e outra está em andamento para 2018. Este trabalho significou que as escolas em todo o Vietnan puderam trabalhar com os contos de H.C. Andersen - não apenas como leitura, mas os usou como inspiração para trabalhar com artes visuais, música e teatro, cabendo nos contos o universo artístico. Sebastian Assim como H.C. Andersen, Sebastian tem um público muito expressivo e diversificado formado por jovens e idosos. Esse público vem aplaudindo Sebastian por suas interpretações de H.C. Andersen. Seu interesse pelo autor começou em 1980 com a criação do musical "Nightingale", em cena no Rimfaxe Theatre, e desde então vem sendo repetido por quatro décadas. Em 1989, eles se encontraram novamente, agora o texto era sobre “A filha do rei do pântano” um trabalho sinfônico instrumental de duas horas em que Lis Sørensen, Sissel Kyrkjebø e o próprio Sebastian cantam. Um novo musical sobre H.C. A em 1996, foi encenado no Gladsaxe Theatre, com o título: "Hans Christian Andersen". Em 2012, Sebastian nos deu o álbum: “ Na Dinamarca, eu nasci. A peça é uma obra-prima indiscutível entre os colegas icônicos separados por séculos. Sebastian vem, cada vez mais, por décadas, inscrevendo musicalmente o poeta nos corações dos dinamarqueses. Os prêmios foram entregues no dia 3 de abril próximo passado , no Teatro de Odense-Dinamarca pela Ministra da Cultura Mette Bock, pelo prefeito de Odense Peter Rahbæk Juels e pelo diretor de criação Christian Have.

Autor:
Ana Maria Langkilde
Ilustração:
--
Fonte:
--

Notícias

1 2 3 >